sábado, 15 de julho de 2006

A origem do nome "Estrela d'Alva"


Desde a antiguidade, que à primeira "estrela" a brilhar ao anoitecer e no alvorecer, se tem chamado popularmente de Estrela Vésper, Estrela Vespertina, Estrela Matutina, Estrela do Pastor ou Estrela d'Alva.

Na realidade não se trata de uma "estrela" mas do planeta Vénus, sendo este o corpo celeste mais brilhante depois do "astro-rei" o Sol e da Lua.

Informação científica:Vénus (ou Vênus), é conhecido popularmente como Estrela d'Alva, Vésper ou Estrela do Pastor, devido ao seu grande brilho, cuja magnitude pode chegar a -4,4, é o segundo planeta do Sistema Solar e tem algumas características peculiares. Tem uma rotação retrógrada e lenta, uma atmosfera extremamente densa e um efeito de estufa fortíssimo. A atmosfera é constituída quase exclusivamente por gás carbónico.
Por estar entre a Terra e o Sol, Vénus apresenta fases tal como a Lua. Estas fases foram primeiro observadas por Galileu e foram utilizadas por ele como um indício de que os planetas giravam em volta do Sol.
É, na maior parte do tempo (depois da Lua), o corpo celeste mais brilhante no céu ao anoitecer (ou pouco antes de anoitecer) e o facto de Vénus só aparecer nestas alturas tem a ver com o facto de estar entre a Terra e o Sol.
Sendo o objecto mais brilhante no céu, depois do Sol e da Lua, Vénus é 13 vezes mais brilhante do que a estrela mais brilhante, que é Sírio. Na sua elongação máxima, Vénus está a uns 46º do Sol. Durante 11 meses Vénus, chamada então de Estrela Vespertina ou de Estrela da Tarde, põe-se depois do Sol (no máximo umas 3 horas depois) e nos próximos 11 meses nasce antes dele (no máximo umas 3 horas antes) como Estrela Matutina ou Estrela d'Alva.
Quando está em conjunção superior (Vénus «cheia») está a 258 milhões de km da Terra e quando está em conjunção inferior (Vénus «nova») a 41 milhões de quilómetros, tendo a partir da Terra uma imagem aparente 6 vezes maior. Por isso, quando vemos Vénus mais brilhante é 5 semanas antes ou depois de ele estar na fase de «nova», numa altura em que a parte iluminada do planeta, que é visível da Terra, tem a forma de uma unha.
Desde 1990, a sonda norte-americana Magalhães está em órbita no planeta, enviando à Terra, imagens de radar. No final de 1991, mais de 70% da superfície do planeta já havia sido mapeados.

Autor: Júlio Verne

6 comentários:

lala disse...

muito bom bem interesante nota 10!10!10!10!10!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Muito Bom

Grande Júlio Verne.

Anónimo disse...

Boa Julio,


abs

Izaias Cavazzana disse...

Muito bom!

Anónimo disse...

Muito bom. Profundo conchecimento.

Anónimo disse...

Muito bom texto Júlio Verne.
É muito difícil apagar o nome de homem com "carisma", seres humanos como tu é que fazem com que a Estrela D'Alva brilhe sempre. Abraço